Sincor-SP e a tecnologia

A evolução traz suas marcas e ocorre em ciclos, cada vez mais curtos. Isso aconteceu na 1ª Revolução Industrial, no período de 1760 a 1860, quando se passaram 100 anos do emprego do vapor nas recém-criadas indústrias; depois tivemos a 2ª Revolução Industrial, de 1860 a 1945, quando já percebemos uma redução de tempo e do emprego da tecnologia, quando tivemos o início da produção em massa e da eletricidade; na sequência “explodiu” a 3ª Revolução Industrial, no período de 1950 a 2010, com a aplicação da automação e robótica. Agora, há pouco mais de nove anos, se iniciou a 4ª Revolução Industrial, baseada na conectividade e na produção através da manufatura digital.

O Sincor-SP, sempre à frente de seu tempo e buscando desbravar mercados para seus associados corretores de seguros, vislumbrou nesta última revolução uma evolução nos negócios, baseada na “identificação digital das pessoas e empresas”.

Com a abertura dos mercados e a crescente demanda por conexão entre pessoas, empresas e governo, em meados de agosto de 2001, o então presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, editou a Medida Provisória 2.200-2, que estabeleceu a criação da Identidade Digital de Pessoas e Empresas, instituindo a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil. Com isso, visava garantir a autenticidade, a integridade e a validade jurídica de documentos em forma eletrônica, das aplicações de suporte e das aplicações habilitadas que utilizem certificados digitais, bem como a realização de transações eletrônicas seguras.

Diante dessa oportunidade, o Sincor-SP passou a trabalhar na estrutura de sua Autoridade Certificadora (AC) que, em agosto de 2005, teve seu credenciamento deferido, passando a levar essa vantagem aos corretores de seguros, que puderam atuar como emissores de certificados digitais, através de suas Autoridades de Registros (ARs).

Passados pouco mais de 14 anos, a AC Sincor, hoje conhecida como ID Seguro, está consolidada e possui uma rede de mais de 240 pontos de emissão de certificados digitais no Estado de São Paulo, sempre baseada nas corretoras associadas ao Sincor-SP.

Esse novo negócio, originado e decorrente da evolução tecnológica, está em franco crescimento, pois materializa para as pessoas, empresas e governo a grande otimização de processos e redução de custos, ao mesmo tempo possibilita um ganho para as corretoras que emitem os certificados digitais.

Um dos pilares do crescimento da certificação digital esteve sempre ligado a exigências legais, dada a necessidade do Governo em digitalizar processos e ter a identificação segura das empresas. No entanto, o mercado é dinâmico e vê neste processo uma excelente oportunidade de crescimento em negócios, principalmente por evitar a necessidade da presença física das pessoas para realizar transações de forma segura e juridicamente respaldada.

Com isso, a ID Seguro está projetando para o fechamento de 2019 um faturamento em comissões para sua rede de ARs (corretores associados) de mais de R$ 15 milhões, rendimento dos mais de 220 mil certificados emitidos somente no Estado de São Paulo.

Diante desses resultados, as expectativas para 2020 são extremamente positivas, pois temos ainda muitas cidades para levar essa atuação, ampliando a capilaridade da rede de ARs da ID Seguro.

Publicidade