img_6170

O que muda para o corretor de seguros com a MP 905

O presidente do Sincor-SP, Alexandre Camillo, explica as novas regras para registro proifssional, atualização cadastral e fiscalização da atividade, sem o comando da Susep

JCS – Com a retirada da Susep na fiscalização da corretagem de seguros, o número de registro profissional do corretor deixou de ter validade?

Alexandre Camillo – O número de Susep atualmente praticado vai ser mantido pelo sistema do IBRACOR e as novas inscrições terão números sequenciais. A autorreguladora está trabalhando para evitar problemas junto às seguradoras e simplificar a entrada de novos corretores.

JCS – Os corretores que já possuem registro e estão em dia com o recadastramento precisam entrar em contato com o IBRACOR para algum procedimento?

AC- O IBRACOR está procurando preencher esse espaço de organização da nossa atividade. Para aqueles que já são corretores, que têm seus registros regularizados até a divulgação da MP 905, não precisa fazer nada. Mas, nós indicamos que aproveitem esse momento para se tornarem associados ao Instituto.

JCS – Como fica a situação dos profissionais que estavam no processo de retirada do registro?

AC- Aqueles que tinham o processo de registro em curso, a Susep simplesmente arquivou e não irá transferir essas informações para a autorreguladora. O IBRACOR vai iniciar esse processo de inscrição do zero. Para isso, entrem em contato com a nossa área de Suporte ao Corretor ou com a Central de Relacionamento. Nossos colaboradores estão bem preparados para dar todas as instruções e auxiliar nesse procedimento.

JCS – A “carteira profissional” do corretor continuará sendo produzida?

AC- O IBRACOR está providenciando um sistema, que possa fornecer a identidade profissional do corretor,  que muitos chamavam de “carteirinha Susep”. Mas, peço que todos tenham um pouco de paciência, porque a autorreguladora preencheu esse espaço de maneira muito rápida, mesmo com a decisão tempestiva do governo. No decorrer do tempo, com mais calma, voltaremos a ter instruções, respostas e prazos para cada situação.

JCS – Como ficou a questão do curso de Habilitação para Corretores?

AC- A Escola de Negócios e Seguros vai continuar a cumprir com o rito de fornecer cursos e formar novos corretores. O IBRACOR vai validar esse curso, justificando esse esforço, dedicação e investimento dos novos profissionais. Assim, quando esse novo corretor for se cadastrar nas seguradoras, as companhias vão pedir o número de inscrição no Instituto e darão prosseguimento na parceria. Ou seja, não se preocupem. A formação é extremamente necessária e continua sendo fundamental para o exercício da corretagem.

JCS – A associação ao IBRACOR é obrigatória? Possui algum custo?

AC- Não há obrigatoriedade alguma em ser associado ao IBRACOR, mas ele agora será o responsável por reger a nossa atividade e irá trabalhar para garantir que as regras de corretagem sejam aplicadas. Por isso, precisamos estar unidos e cooperando para esse amadurecimento, contando com uma regulação feita por nós mesmos. Até porque os Sincors de todo o Brasil são os associados fundadores e mantenedores do IBRACOR. O Instituto, inclusive, nos disse que, até 2021 as associações serão gratuitas.

JCS – Do que se trata o custo de inscrição no IBRACOR?

AC– Apesar da associação ao IBRACOR ser gratuita, para inscrição na atividade, ou seja, para registro profissional, o Instituto divulgou uma tabela de custos. Essa tabela é exatamente a mesma praticada em 2012, quando havia um convênio entre a Susep e a Fenacor para que os Sincors fizessem o cadastro e o recadastramento dos corretores. Quem é dessa época lembra quando os procedimentos eram feitos pelos Sindicatos. Em 2012, quando o convênio foi cancelado e a Susep disse que conseguiria fazer tudo, a cobrança deixou de existir, mas em contrapartida, a autarquia não entregou nada. Não conseguiu desenvolver um sistema adequado de cadastro – hoje, os dados dos corretores estão uma bagunça. Se não fossem os Sincors manterem essas informações atualizadas, não haveria nada -, como também não conseguiu dar prosseguimento ao recadastramento. Agora, existe esse custo que, repito, é o mesmo que era aplicado há 7 anos, para que a autorreguladora consiga fazer essas operações, desenvolver sistemas e tudo mais. Queremos resgatar o padrão de cadastro, que existia anteriormente, evidentemente que com melhorias, de modo que possamos saber quantos são e quem são os corretores de seguros atuantes no Brasil.

JCS – Além de se associarem ao Sincor-SP e ao IBRACOR, o que os corretores podem fazer para ajudar e dar força na luta pelo retorno da Lei 4.594?

AC- Todos aqueles que têm envolvimento político, a ajuda será muito bem-vinda. Só precisamos estar organizados para garantir força nos nossos pleitos junto ao governo. A indicação que fazemos é: apresente pra gente esse parlamentar, assim, poderemos fazer todos os esclarecimentos e pedir apoio. Todo contato é excelente, só precisamos fazer isso de maneira conjunta.

Publicidade